sábado, junho 19, 2004

Pausa - Dado o grande atraso com que eu tenho presenteado os leitores do DD, nomeadamente em relação ao relato do Rock in Rio, resolvi fazer uma pausa, que espero curta, mas sem prognósticos sobre o regresso. Este não-relato foi o culminar de vários períodos em que nada escrevia aqui, por vários motivos. Como esses motivos se têm repetido ciclicamente, resultando em “ausências” longas, penso que esta é a melhor solução. Quando se reunirem as condições, a vontade e a inspiração que fizeram nascer o DD, na saudosa Maastricht, o regresso será certo.

O futuro permanece escondido até dos homens que o fazem

Autor: France , Anatole

segunda-feira, junho 07, 2004

Obrigado – A todos os que hoje se lembraram de mim e simpaticamente me deram os parabéns. São 23 anos de vida. E sim, agora que me começo a afastar do número 20 já começa a pesar. E não é conversa feita, é mesmo verdade, embora este tipo de sentimento tenha também a ver com o final do curso entre outras coisas.
É assim mesmo, os 30 são a próxima paragem.

Trinta anos é uma idade difícil. (...) A vida acaba, começa a existência

autor: Bay , A.

P.S: o relato do incrível dia 4 do Rock in Rio continua amanhã com a actuação dos Moonspell

domingo, junho 06, 2004

17H – Foi a hora a que combinámos, Eu o Daniel e o Nuno, encontrarmo-nos para ir ao dia 4 do Rock in Rio. Aquela que é a melhor manda de Metal (genericamente falando) portuguesa e também a que tem maior reconhecimento por todo o mundo, Moonspell, começava a actuação ás 18h. Ainda relativamente longe do recinto, estacionámos o carro na Avenida Gago Coutinho e dirigimo-nos ao local subindo a Arlindo Vicente até ao Parque da Bela Vista. O calor era imenso e tínhamos pela nossa frente pelo menos uns quatro postos de controlo, um primeiro para mostrar só o bilhete, um segundo para o mesmo e para recolher um saco para colocarmos os objectos metálicos, um terceiro para o detector de metais e um ultimo para o controlo do código de barras do bilhete. Finalmente entrámos no recinto, por volta das 17h45m. Desde logo me apercebi que o espaço é enorme e muito bem desenhado, com uma excelente perspectiva de quase todos os sítios do Palco Mundo. Por esta altura os CIVIC terminavam a sua actuação. Os CIVIC são uma banda portuguesa, ainda sem discos editados, que teve direito a tocar no Rock in Rio porque ganhou o Objectivo Rock in Rio, um concurso que teve como objectivo encontrar uma banda nova, formada especificamente para esta ocasião. A escolha da banda foi feita em várias edições do Cabaré da Coxa por onde passaram diversas bandas com sonoridades muito distintas. Calhou a estes rockeiros o privilégio. E pelo que vi na altura no Cabaré da Coxa, e pelo pouco que vi ao vivo, têm mérito e tiveram uma boa prestação. Na realidade não apresentam nada de extremamente novo ou diferente algo que, aliás, é cada vez mais difícil e improvável. De qualquer forma para terem uma pequena ideia, praticam um rock musculado, com influências claras de Deftones e do Neo-Metal em geral, com vocalizações por vezes próximas de Brandon Boyd dos Incubus. Aparentemente e pelo pouco que vi, tiveram uma actuação competente, que fez desde logo surgir um dos protagonistas inesperados da noite, a poeira. A verdade é que com a energia que os CIVIC debitaram, o público começou a aquecer e a poeira começou levantar. Para banda amadora e sem álbum editado estiveram bem e só podem ficar contentes com a actuação conseguida. Seguiram os Moonspell e foi então de altura de se dar inicio ao verdadeiro espectáculo.

sábado, junho 05, 2004

70 mil pessoas – Foi este o número de presentes no melhor e mais pesado dia do Rock in Rio. A começar em Moonspell e a acabar em Metallica foi simplesmente do outro mundo. Ver cerca de 40 a 50 mil pessoas do total de 70 mil, a responderem afirmativamente a um pedido de Corey Taylor, Vocalista dos Slipknot, para se baixarem e saltarem à sua ordem, é completamente inacreditável. Acreditem que o chão estremeceu, é uma grande emoção ver tantos milhares de pessoas a ouvirem e vibrarem desta forma com uma banda extremamente agressiva, que para os mais cépticos não passa de um bando de 9 malucos a fazer barulho. E isto foi só um dos muitos episódios, dos quais farei um relato pormenorizado nos próximos dias, numa noite em que ficou provado que o Metal (genericamente falando) move multidões e quem tiver o espírito aberto para conhecer, passa a adorar e a vibrar duma forma incomparável aos outros estilos. Que energia, que emoção, 70 mil pessoas a cantarem o “Wait and Bleed” dos mascarados, ou o “Seek and Destroy” (do longínquo (1983) 1º álbum) dos Metallica numa noite absolutamente memorável!
Nos próximos dias acompanhem a descrição da actuação de cada banda aqui no DD.
Metal Rulez !!!

sexta-feira, junho 04, 2004

Rock in Rio – é hoje o melhor dia do Rock in Rio. Nos próximos dias contem aqui com um relato dos momentos (agitados, assim se espera) vividos na Cidade do Rock.

‘Tallicaaaaaaaaa!

quinta-feira, junho 03, 2004

Bush no seu melhor - Vi a referência a este artigo no Blog do Público, Presidenciais Americanas 2004, e não resisti a traze-la aqui: A Saddam Souvenir

Em época de exames e não só

O tempo rende muito quando é bem aproveitado

autor: Goethe , Johann